RELAÇÕES ENTRE TERRITÓRIO E EDUCAÇÃO NAS ALDEIAS GUARANI MBYA DO JARAGUÁ: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

  • Daniely Tavares da Silva Instituto Federal de São Paulo
  • Tatyana Murer Cavalcante

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender as relações entre, de um lado, o idioma guarani e a educação nas aldeias indígenas Mbya do Jaraguá (São Paulo – Capital) e, de outro, a relação com o território, dado que estas aldeias estão encrustadas na metrópole. Tinha-se como pressuposto que sua formação educacional não era decorrência direta de processos políticos e legais, mas resultado da tensão entre a educação tradicional guarani e o modelo escolar ocidental, havendo, portanto, a possibilidade da construção de um trabalho educativo escolar que não pretendesse a substituição da educação tradicional pela escolar. Ao longo do desenvolvimento do projeto, realizado por meio de pesquisa bibliográfica, o território foi tomando lugar cada vez mais central. A sobreposição de diferentes conceituações de território (FARIA, 2014; GERLET; ASSIS, 2009; ROCHA, 2010; SANTOS, 2005; SANTOS, 2011; SOUZA, 2015) tornou-se viés essencial na compreensão das relações educativas guarani. Foi-se percebendo que, desde a colonização, o desenvolvimento da cultura guarani por processos de assimilação e resistência, garantem a própria existência guarani na atualidade (MELIÀ,1999; OLIVEIRA, 2012) e lhe asseveram alteridade. Assim, do andar pelo mundo branco ao instrumentalizar por meio de escola na aldeia encravada na metrópole, permanecem processos de assimilação e resistência guarani.

Publicado
2018-09-26
Seção
Especial Educação, Diversidade e Direitos Humanos