REFLEXÕES SOBRE A DIMENSÃO E A ESCALA HUMANA NO PLANEJAMENTO URBANO E NOS ESPAÇOS PARA [VI]VER DA CIDADE CONTEMPORÂNEA

  • Douglas Luciano Lopes Gallo IFSP
  • Eliane Ribeiro de Almeida da Silva Bessa PROURB/FAU/UFRJ

Resumo

Os novos desafios impostos pela atual conjuntura das cidades, em nível global, exigem reflexões e novas formas de pensar o espaço urbano. Após forte tradição modernista alheia à dimensão humana, torna-se essencial uma mudança de paradigma, com reorientação do pensamento urbanístico. O objetivo deste artigo foi refletir sobre o conceito de humanização urbana e discutir as possibilidade e desafios do planejamento para a vida na cidade, visando a construção de um conceito de cidade humana. A proposta de construção do conceito visa a compreensão das relações entre a escala humana e a vida na cidade. Com uma abordagem dialética procurou-se compreender a humanização urbana por meio de categorias de análise: vitalidade, segurança urbana, qualidade ambiental, gentileza e empatia. O resgate dessa dimensão invisibilizada colabora para a construção de cidades mais vivas, seguras, resilientes, sustentáveis e saudáveis. A dimensão humana está intimamente relacionada com as exigências de melhoria na qualidade de vida urbana. As reflexões aqui apresentadas ampliam o debate sobre a humanização das cidades, com a retomada da escala e da dimensão humana, da vida e de suas nuances mais belas.

Biografia do Autor

Eliane Ribeiro de Almeida da Silva Bessa, PROURB/FAU/UFRJ

Professora orientadora de doutorado PROURB/FAU/UFRJ, Doutora em Serviço social

Publicado
2021-08-30
Seção
Artigo Graduado